segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Capítulo 39

Whoah, guys *-* Demorei de novo né, desculpa, mas tava sem inspiração mesmo... Que besta eu! Mas enfim, tá aí o capítulo:

Joe on

É, pela primeira vez em 19 dias, eu saía de casa. Mas acredite, não foi porque quis. Foi apenas porque Nick me obrigou, ele veio com um papinho idiota de má circulação caso eu ficasse vários dias deitados e, pra não contrariá-lo, resolvi ir até a padaria e comprar alguns doces... Não, eu não quero comer nada e nem gosto disso, mas era só pra ele parar de me encher. Enfim, após escolher duas barras de chocolate sem açúcar e três croissants, com mais alguns chicles de goma e pagar tudo, saí do estabelecimento e percebi na direção oposta a minha a coisa mais linda do mundo caminhando como se o mundo estivesse abaixo de seu nível, e realmente, ele está...

A encarei com muita tristeza no olhar, e assim que ela me percebeu na rua, ergueu o queixo e não pude perceber seu olhar,  já que seus óculos escuros  o cobriam... É, aquilo era oficialmente um gelo. E a propósito, ficar sem a luz do sol e o ar da cidade não é nada se comparado a ficar sem a Demi...

Demi on

Sim, eu vi o Joe. E não, não foi nada legal. Por dentro, foi como se eu morresse mais dez vezes ... Podem ter passado semanas, mas ainda dói como no dia que descobri tudo aquilo, e se me perguntam como é viver com a Taylor, não é nada diferente. Você não espera ser traída pelo seu namorado do jardim de infância e pela sua melhor amiga que você confia a própria vida... Ah, que coisa mais clichê... Ri abafado e fechei os olhos, permitindo uma unica e solitária lágrima rolar pelo meu rosto. Nem me importei, já que estava, por graça Divina, com óculos e também porque cheguei em casa... Abri a porta e percebi a Taylor no sofá da sala com Emily, a megera branca não tinha a melhor das caras, mas pouco me importo. Toda vez que meu olhar para junto ao dela, é uma faca atravessada nas minhas costas... Subi aquelas escadas numa pressa lendária, e ao entrar em meu quarto bati a porta forte, embora sem querer... Chorei. Chorei muito. Droga, eu sou tão fraca... Sabia que era demais pra mim. Me fazer de forte e sorrir pra todos nos corredores da escola, não desabafar com ninguém próximo e nem dar um tempo a mim mesma, quando na verdade, eu carrego o peso de um mundo todo desabando nas costas... Por que, comigo? Eu nunca fiz nada tão errado nessa vida, sempre protegi todos, sempre dei conselhos, me importei, tratei com carinho... Acho que o ditado de pessoas boas nunca se darem bem estava correto mesmo... E então, com mais algumas lágrimas e sentindo um ódio repentino por mim, comecei a rebater meu corpo com meu guarda-roupa algumas vezes, até sentir algo caindo na minha cabeça e parando para perceber o que era aquilo... Ah, claro, uma caixa.  Mais uma das milhares, com fotos e lembranças minhas... As imagens guardadas eram diversas, lembro que organizei aquela caixa há um pouco mais de um mês atrás, então tinham até imagens não tão velhas... Ignorei as com a Miley, com o Dav e com a Emily, e dei destaque as memórias que algumas principais me trouxeram...
Ah, ainda estávamos na oitava série e era o dia daquela peça de... Argh, melhor nem lembrar. Lancei a foto longe e peguei outra, e outra em seguida.
Ah, droga, foram muitos momentos com o Joseph... peguei a caixa, que estava de cabeça pra baixo, e ao levantá-la, dei de cara com mais fotos, novamente ignorei as com a Miley e peguei em minha mão outras, admirando lentamente uma a uma...
         
   Argh, que patético! Aquilo era no começo do ano... Larguei as fotos de mão, assim como os momentos, me deparando com as próximas da caixa, que também não eram nadas adoráveis de se ver...


Falsa, falsa e falsa. Era a única coisa que passava pela minha cabeça... 'Amigas para sempre', 'Você é como uma irmã pra mim', 'Conta quando precisar'... Ah, claro, precisava mesmo que ela pegasse meu namorado, e que eles fossem traíras o suficiente pra esconder aquilo de mim tão bem por vários anos. Me dá apenas raiva, e ódio. Não deles, mas de mim, por ser a mesma babaca de sempre, otária e tola que acredita que o mundo ainda tem gente boa... Me levantei, sentindo a dor por ficar agachada tanto tempo, e deixei que as fotos caíssem de minha mão com facilidade. As lágrimas já haviam secado, e eu me esqueci que estava chorando há poucos segundos, o que foi bom, já que Miley entrava em meu quarto engolindo seco, como das últimas vezes que o fez, e pedindo licença com as pernas, seguindo com a mesma expressão de dó pra mim...
Miley: Demi... Desculpa atrapalhar seu 'momento', outra vez, mas é só que eu tenho uma coisa pra falar pra vocês. - 'vocês?' Quem são os outros? - E se você preferir, conto a você e minha prima em momentos diferentes, é só que eu preciso falar com todos, já que são muito especiais e eu os amo demais pra preocupá-los e enganá-los. - Oh, Deus, do que essa menina tá falando??
Eu: Você por acaso tá grávida e eu não sei o provável pai? - perguntei, mais pra mim do que pra ela, fazendo uma expressão confusa depois. Ela riu sem humor, e voltou a me encarar.
Miley: Não, não é nada disso... Ta doida? É que não é algo muito bom, também...
Eu: O Liam tá voltando?
Miley: Não! Dou graças por esse ser ter me esquecido lá na Austrália, tomara que se case com uma cangurua e tenha muitos filhos. - ela falou calma e fechando os olhos, quando eu a enojava por maltratar a norma padrão - Mas enfim, Demi, eu tenho que falar logo, porque minha primeira visita ao psicólogo é hoje e é daqui a pouco...
Eu: Psicólogo? Miley, do que você tá falando? - eu disse rapidamente gaguejando e a interrompendo. Será que nossos problemas a afetam? Ou ela só irá pra lá por causa do Nick?
Miley: Okay, já que provavelmente você não vai descer... Eu nem vou fazer cerimônia. Demi, eu sou bulímica. - ela falou sem muita expressão corporal, enquanto eu olhava pra ela séria e em seguida sorria, esperando uma gargalhada e um 'Brincadeira, Dê'. Mas não, isso não aconteceu. Ela continuou séria e eu a encarando , cada uma em uma extremidade do quarto.
Eu: Tá zoando, né?
Miley: Nunca falei tão sério na minha vida. Ah, Demi, você acha mesmo que eu brincaria com isso? Eu mio tudo que eu como... Eu tenho compulsões alimentares direto, eu não gosto de passar por espelhos, e além de tudo, não consigo me achar a menina mais linda do mundo... Fala sério, você acha que eu uso casacos tão largos por prazer? E eu sei que eu não sou tão gorda quanto eu devo pensar que sou, mas a bulimia me ajuda de uma forma inexplicável. Eu consegui emagrecer uns 8 quilos, da puberdade pra cá, graças a ela. E sinceramente, a comida vira sua maior inimiga. Você não tem mais noção do que é um grão ou um quilo de alimento na sua boca,  você come por raiva, alegria, tristeza, depressão, tédio... Isso se torna um circulo vicioso, é algo que não dá pra você parar quando quer. E a propósito, eu quero parar. Por isso vou começar tratamento médico e psicológico pra ver se consigo, e eu tenho fé que irei conseguir, acabar com essa desgraça que infelizmente, pode acabar com a minha vida a qualquer momento. - eu não sabia o que dizer, não sabia como agir... Não tinha reação depois de ouvir tudo aquilo... A Miley tinha um transtorno alimentar, desde a puberdade, e morando debaixo do mesmo teto que ela esse tempo todo eu nunca fui capaz de perceber. Inacreditável...
Eu: M-mas... tudo esteve sempre tão bem...
Miley: Não, Demi, nada nunca esteve bem... - ela falou, tentando não deixar passar as lágrimas em seu rosto, no entanto sua voz embargada era impossível de não perceber -... O problema é que você sempre esteve tão preocupada em se convencer disso, que acabou se desligando da vida, e não prestando atenção em nada ao seu redor... Eu juro, juro que não queria ser a menina problemática, mas eu também confesso que sempre quis um pouco de atenção. Da sua atenção, a atenção da minha melhor amiga... - ela disse com a voz falha e a mão no peito, e olhos marejados. Doía cada palavra que ela dizia, mas eu sabia que era a mais pura verdade. Miley sempre se mostrou tão presente pra mim, e eu nunca fiz a terça parte por ela... - Eu só queria, sei lá... Que você lesse meu olhar... Toda noite eu não dormia direito, eu sempre tenho mais de mil sentimentos ao atravessar aquela cozinha, e eu finjo ser amiga da comida pra não dar na telha... Mas pelo visto minha atuação é muito boa mesmo, não é? - ela falou, sarcástica e deixou uma mão a abano, e enquanto fitava o vazio, tornava a falar. - Então, se eu não tiver roubado muito do seu tempo e da sua atenção, eu já vou me retirando, pois tenho que explicar a mesma história pra Emi e pra Leãozinho, com a unica diferença de eu não me sentir tão mal, afinal, nunca esperei que elas me conhecessem como queria que você o fizesse... - Ela ia dando as costas quando, feito uma  babaca, a babaca lerda que eu sou, dei alguns passos largos pulando algumas bagunças no chão do meu quarto, e a segurei pelo braço, a fazendo olhar pra mim.
Eu: Eu... eu sinto muito. Eu queria ter estado aqui a todo o tempo mas infelizmente, não estive. Eu sou uma péssima amiga, cara... Me perdoa por ter chegado tão tarde, a sua vida tá tão turbulenta quanto a minha, ou até mais... Mas eu só sei focar nos meus problemas, então, sinto muito mesmo. Eu não sei o que fazer pra me redimir...
Miley: nada do que você fizer irá te redimir por todo esse tempo, Demi. - senti aquilo como um grande fora e me calei, deixei meu olhar encontrar meus pés, quando, ainda de cabeça baixa, a escuto falar algo. - No entanto, o seu apoio nesse momento da minha vida seria crucial e muito importante. - vi a linha de seus lábios se curvar, e logo um sorriso saudável e generoso se formou no lindo rosto da minha linda Miles, e prontamente eu a abracei, com carinho, culpa, remorso, pena e pesar - Eu devia ter te contado antes, também...
Eu: Nada disso, se aconteceu nesse exato momento é porque era pra ser assim. Não vamos nos culpar, mas agora, é sério, conta comigo pro que der e vier, Miley! Eu te amo muito, muito mesmo!
Miley: Eu também te amo! - ela falou ainda abraçada comigo, e quando eu quis nos separar ela me apertou novamente - Fica mais um pouco. É bom saber que eu tenho uma melhor amiga! - ela falou totalmente meiga e eu prolonguei o abraço... Ah, se eu pudesse fazer por essa garota o que ela faz por tanta gente. A capacidade dela de perdoar e amar é inigualável... Por isso a admiro e amo tanto!

*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*

Espero que gostem, fiz com carinho ^^ E obrigada a todos os comentários anteriores, adoro tanto isso *-*
Hein, gente, então Jelena acabou, né? Isso me quebrou, estragou meu sábado... Eles eram (e ainda são) tão perfeitos juntos, aaah, sei lá...  A ficha ainda não caiu pra mim, e espero que ela não caia antes de eles voltarem (yn) Vi que a maioria da galera daqui ficou triste com isso, mas, infelizmente, é a vida e temos que ser mais positivos e ter pensamentos otimistas, e acima de tudo, ter muita fé e esperança. Não pára por aqui, não para nisso aqui. Eu acredito no potencial de todas vocês e me deu vontade de chorar ao ver as escritoras de alguns blogs tristes e até fechando suas histórias... Sei lá, não me abandonem, por favor *-* É tão confortante ter vocês aqui, e ler essas histórias que me fazem voar... Pensem com carinho na vida antes de mais nada, só um pedido.
Beeeijos, comentem ^^
Fiquem bem todas, até a próxima ><

Um comentário: